Ocorreu um erro neste dispositivo

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

VIROU!!!!...






O povo diz, na sua reconhecida sabedoria , que quem tem telhados de vidro não atira pedras.


Vivemos porém numa época de tal sobranceria e auto convencimento, que julgamos esses adágios coisas do passado, relíquias de tempos onde cada um olhava para o seu próprio umbigo antes de falar do buraco na barriga do parceiro.

Se não me atraiçoa a memória, a célebre expressão “ Jobs for the boys” surgiu com letra laranja num ataque ao que afirmavam ser o clientelismo do Partido Socialista.

Mas tal como no caso do diploma do ex.primeiro ministro que, muito embora tivesse feito um exame ao Domingo , ao que parece os restantes eram de bona fide se bem que lhe concedessem um título menor, em que pedra acabou por cair no próprio telhado estilhaçando-o, também nesta coisa dos jobs e dos boys bem pode o PSD fazer acto de contrição!!

Nunca, e repito NUNCA, como hoje se viram substituições de chefias com base no cartão partidário ou no pagamento do almoço que, como também é de sabedoria popular, nunca é grátis.

Dum momento para o outro assiste-se a uma dança de cadeiras tão alucinante, que mais parecem acometidas da doença da dança de S. Vito!! Pouco importa o carácter técnico de quem substitui ou de quem é substituído! O que vigora mesmo é o alinhamento partidário.

O caso não se limita aos cargos ditos de confiança política ( essa é outra que alguém há-de um dia explicar-me!!). Os favores a pagar são demasiados e esse tipo de cargo não chega. Então não há que ver: toca a substituir sem rei nem roque, desde Directores, Subdirectores, Chefes de Departamento de Secção e estou em crer que Contínuos. Tudo raso, tudo substituído!!

Pouco importa que dessa forma se desmembrem equipas , se ponha em causa trabalho de anos e até instituições. O que é importante é pagar a dívida do seguidismo partidário!

Quando o Sr. Capelão das Forças Armadas D. Januário Torgal Ferreira clamou da nudeza do rei na praça pública foi um “ Deus nos acuda” de insurgimentos, de reiteradas inocências e clamores de indignação!

Mas a realidade tal como o azeite, é bem mais densa que qualquer falsa inocência.

E quando o Exmo. Sr. Primeiro Ministro exclama “que se lixem as eleições o que importa é o Pai”s tem toda a razão: O aparelho económico de Portugal já está tomado, por saque pós-eleitorar.

Agora a vontade do povo que se lixe mesmo!!