Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 27 de abril de 2015

E A EUROPA AQUI TÃO PERTO!!






Os recentes acontecimentos ocorridos ao largo de Itália vieram reacender a questão da imigração ilegal e das suas consequências económicas mas sobretudo humanitárias, junto da opinião pública.
Os países do Sul da Europa têm-se visto a braços com este flagelo desde sempre mas com um a maior gravidade na última década, mercê do aumento dos conflitos em África e sobretudo no médio Oriente.
Portugal até ao momento tem estado numa situação protegida, já que a sua orla costeira é banhada pelo Atlântico e não pelo Mediterrâneo, para mal dos pecados  do turismo mas para descanso das autoridades.
Mas esta é uma situação que não vai durar muito mais tempo!!!
A serem tomadas as medidas repressivas decididas pela EU na passada semana no mar Mediterrâneo, não tardarão a dar à costa Algarvia barcos de gente ávida de vida e cadáveres anónimos!
É apenas uma questão de oportunidade face ao desespero: cortada a rota , supostamente menos perigosa, do mediterrâneo, outras irão surgir e a travessia  até agora pouco tentada , pois que o Atlântico é oceano nada pacifico, entre África e o continente Europeu, vai ser rota alternativa.
A Europa continua a exercer a sua já habitual política low profile e de recurso. A acção é determinada pelos efeitos duma causa que não querem ( ou não sabem!) atacar. Continua-se a agir pela solução imediata, mais simples, camuflada em roupagens de consenso.
Que diferença existe entre as medidas agora aprovadas e as sugeridas pelo primeiro ministro Australiano que tanta polémica e indignação provocaram? Uma única: a forma de comunicar, a linguagem usada, numa palavra a hipocrisia .
E Portugal, onde fica Portugal nesta questão? Que medidas  propôs, como pretende agir? Ou à boa maneira portuguesa, iremos lançar mão das três frases mais assassinas da nossa língua : “ Isto não há-de ser nada “; “ Depois logo se vê” e finalmente a célebre “ A malta desenrasca-se!”?