Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

...QUE A MURALHA ESTÁ A PASSAR POR AQUI...












Durante muitos anos ouvimos, displicentemente e até com uma dose de ironia, falar do perigo amarelo, alusão pouco velada, ao aumento de protagonismo da China no palco económico mundial.
Mas à medida que o Ocidente se desmoronava numa reprise dos idos tempos da queda do Império Romano, ambos traídos pelo enfraquecimento dos valores e dos costumes, da hecatombe da vida fácil, confortável e taked for granted , o perigo amarelo já não é ironicamente mencionado e estende os seus tentáculos económicos à área geopolítica, num claro avanço que preconiza o aparecimento dum novo império: o império do Sol Nascente.
No nosso país começa exactamente pela alusão directa ao sol: a energia de que dependemos vamos colocá-la COMPLETAMENTE na mão dos chineses.
Esclarecimento prévio: de economia percebo tanto como de lagares de azeite. Mas ao que parece estarei bem acompanhada, pelo que me atrevo a comentar este take over sobre o nosso sistema energético.
Aquando da aquisição da posição maioritária na EDP por parte dum grupo chinês, confesso que fiquei agradavelmente surpreendida pela estratégia económica do nosso governo. Duma cajadada matávamos uma série de coelhos: dizíamos não à Alemanha, que era uma das candidatas, estabelecíamos uma parceria altamente competitiva e externa á EU e embolsávamos uma soma considerável. Um belíssimo negócio, portanto.
Esperava eu na sequência desta estratégia , que a REN ( que para quem não sabe é a empresa que detém a rede de distribuição eléctrica) fosse parar a outras mãos por forma a não dar o ouro ao mesmo bandido. E aí a minha aposta era na empresa brasileira que se encontrava nessa corrida.
Eis senão quando sou confrontada com esse negócio da China ( literalmente. Para eles note-se!).
Não duvido que a curto prazo e nesta altura em que o sufoco de tesouraria estatal é enorme, se trate dum bom negócio. Embolsamos ( salvo seja, porque estou crer que nenhum de nós, comum mortal e contribuinte ad eternum vá ver um cêntimo sequer. Trata-se pois dum plural majestático e metafórico ) o dobro do que outros nos propunham, além de que ficamos com mais uns milhões para investimento etc, etc, etc e tal.
Mas o mal deste nosso país foi ter sempre vistas curtas! O que não deixa de ser um paradoxo, já que sendo um país com uma fronteira marítima que delimita mais de metade do território, seria previsível que o horizonte e mais além, fosse o limite. Mas não! Agora é assim e depois logo se vê!!
Como dizia a minha avó, os ovos nunca se devem colocar no mesmo saco não vá dar-se o caso dum piparote mais ou menos intencional transformar tudo em cascas .
Por isso, eu que nada sei de finanças ( mas que tenho biblioteca, ao contrário do que dizia Fernando Pessoa a propósito de Jesus Cristo ), temo bem que a longo prazo estejamos todos amarelos de remorso e a comer arroz á luz de candeeiros de Petromax.
Isto se nos portarmos bem!!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

OS NOVOS POBRES - DESCUBRA AS DIFERENÇAS



È do conhecimento geral e oficial: não morro de amores pelo nosso Presidente da Republica!
Aliás só num país que tem receio em assumir o seu orgulho nacional e a sua autonomia, é que um homem com as características dum sr. Silva, podia atingir o mais elevado patamar do Estado!
Portugal tem esta característica - que alguns atribuem aos anos do Estado Novo - do eterno pobrezinho, pequenino e honesto. Temente a Deus , com uma necessidade intrínseca dum pater familiae ( se o latinório estiver mal escrito fica por conta duma acordo ortográfico qualquer!) que o oriente, de preferência com mão férrea e autoritária, Portugal sempre teve uma pecha tremenda para aturar ditadores. E nem sequer grandes ditadores, note-se!! Sempre coisas assim poucochinhas , nem carne , nem peixe, assim uns meias tintas, uns chicos espertos que se associavam a deus e ao diabo conforme as circunstâncias, uns rolhas de cortiça, que se davam ares de santo para não borrarem a fotografia!
Até chegar o Silva.
O Silva é o protótipo do pacóvio que se fez a si mesmo ( honra a tal, mas também outros o fizeram e nem por isso são PRs), que chegou alto sem nunca ter deixado o chinelo no pé que divide com a cara metade, dando razão ao adágio popular que quem faz um tacho faz-lhe o testo.
O Silva é um homem recto, compra acções mas não tem bem a noção da coisa, passou-lhe ao lado a circunstância de ter comprado a valor abaixo do mercado e ter vendido ali á beirinha da hecatombe.
O Silva fala sempre de si como “ O presidente” colocando-se no Olimpo dos intocáveis, inimputáveis, um degrau abaixo de Zeus, Cristo, Alá ( bem este para o sr. deve estar abaixo, mas enfim) e outros. O Silva é um profeta: disse tudo muito antes de acontecer. Não fez nada e o que fez deu no que deu, mas lá que previu… O Silva é um oráculo!!!
Mas para borrar a pintura não há como ele ( e a Maria, não nos esqueçamos!) . São coisas que nos ficam agarradas à pele, que fazer?
A última borradela foi a da reforma.
Das reformas, que fez logo questão de dizer que a sua senhora só tem 800€ de reforma e que isso ninguém ainda descobriu ( “ Se fossem 8.000 já tinham descoberto” exclama a excelsa pondo mais uns borrões na foto de família!).
Com a devida vénia ( que isto com o sr. Presidente só com vénia!) não acredito no montante dos 800€! Se calhar era coisa para alguém de facto descobrir. Foi professora quantos anos? Quanto descontou? De que tipo de ensino, particular, oficial…?
Mas voltemos ao Silva propriamente dito.
Por muito que o prof. Marcelo diga que o que o outro disse não era o que queria dizer ( tipo: eu sei que você sabe, que eu sei que você sabe!) o que é facto é que o disse com todas as letras: os meus magros 10.000€ não dão para as despesas.
Para além de ficar mal ao Presidente, é uma afronta a todos os portugueses!
Ditador paroquial por ditador paroquial, antes o Salazar que ao menos pagava as despesas do seu bolso.
Agora este senhor que tem todas as mordomias( naturais à sua condição de PR , obviamente) , que não tem que se preocupar com as compras do supermercado, com a conta da luz, do gás, da água. Que não tem reuniões de condomínio nem paga à mulher a dias ( e muito menos tem que ajudar a Maria nas limpezas de fim de semana!). Que tem férias e viagens pagas ( é verdade como é que ficou aquela questãozita da casinha no Algarve???) . Que tem motorista. Que colocou filha , genro, filho e nora em lugares principescamente pagos sem que tenham passado pelo crivo de qualquer concurso, este senhor vem queixar-se da sua magra reforma???
Quereria ele dizer que estava contra o corte dos subsídios no Banco de Portugal? É que este senhor e aí concordo com o prof. Marcelo, nunca diz a missa toda! Fica sempre ali na nebulosa do nim ( lembram-se do casamento homossexual?), na sobranceira opinião d’O Presidente que é exotérica e como tal de difícil entendimento.
Mas o que ele queria dizer era isto : os portugueses queixam-se de quê? Ponham os olhos n’O Presidente que, com a sua pobre reforma de 10.000€, mal pode fazer face às despesas e não se queixa, ora essa.
Como economista caro Silva, o senhor devia saber que está a viver acima das suas possibilidades. Há que estabelecer um orçamento familiar. Vá sente-se á mesa da cozinha mais a sua Maria e de lápis e papel vamos lá a fazer continhas e ver onde pode cortar. Talvez não fosse má ideia deixar novamente de ler jornais e já agora cortar com a TV , Cabo e Net. Acaba com o Facebook presidencial mas, aqui entre nós, quem é que lê aquilo?
Como Presidente fique descansado: a malta faz um peditório com rifas.
Afinal sempre fomos um povo com um grande espírito de solidariedade! Jamais deixaremos O Presidente a dormir debaixo da ponte, ora essa!!
È do conhecimento geral e oficial: não morro de amores pelo nosso Presidente da Republica!
Aliás só num país que tem receio em assumir o seu orgulho nacional e a sua autonomia, é que um homem com as características dum sr. Silva, podia atingir o mais elevado patamar do Estado!
Portugal tem esta característica - que alguns atribuem aos anos do Estado Novo - do eterno pobrezinho, pequenino e honesto. Temente a Deus , com uma necessidade intrínseca dum pater familiae ( se o latinório estiver mal escrito fica por conta duma acordo ortográfico qualquer!) que o oriente, de preferência com mão férrea e autoritária, Portugal sempre teve uma pecha tremenda para aturar ditadores. E nem sequer grandes ditadores, note-se!! Sempre coisas assim poucochinhas , nem carne , nem peixe, assim uns meias tintas, uns chicos espertos que se associavam a deus e ao diabo conforme as circunstâncias, uns rolhas de cortiça, que se davam ares de santo para não borrarem a fotografia!
Até chegar o Silva.
O Silva é o protótipo do pacóvio que se fez a si mesmo ( honra a tal, mas também outros o fizeram e nem por isso são PRs), que chegou alto sem nunca ter deixado o chinelo no pé que divide com a cara metade, dando razão ao adágio popular que quem faz um tacho faz-lhe o testo.
O Silva é um homem recto, compra acções mas não tem bem a noção da coisa, passou-lhe ao lado a circunstância de ter comprado a valor abaixo do mercado e ter vendido ali á beirinha da hecatombe.
O Silva fala sempre de si como “ O presidente” colocando-se no Olimpo dos intocáveis, inimputáveis, um degrau abaixo de Zeus, Cristo, Alá ( bem este para o sr. deve estar abaixo, mas enfim) e outros. O Silva é um profeta: disse tudo muito antes de acontecer. Não fez nada e o que fez deu no que deu, mas lá que previu… O Silva é um oráculo!!!
Mas para borrar a pintura não há como ele ( e a Maria, não nos esqueçamos!) . São coisas que nos ficam agarradas à pele, que fazer?
A última borradela foi a da reforma.
Das reformas, que fez logo questão de dizer que a sua senhora só tem 800€ de reforma e que isso ninguém ainda descobriu ( “ Se fossem 8.000 já tinham descoberto” exclama a excelsa pondo mais uns borrões na foto de família!).
Com a devida vénia ( que isto com o sr. Presidente só com vénia!) não acredito no montante dos 800€! Se calhar era coisa para alguém de facto descobrir. Foi professora quantos anos? Quanto descontou? De que tipo de ensino, particular, oficial…?
Mas voltemos ao Silva propriamente dito.
Por muito que o prof. Marcelo diga que o que o outro disse não era o que queria dizer ( tipo: eu sei que você sabe, que eu sei que você sabe!) o que é facto é que o disse com todas as letras: os meus magros 10.000€ não dão para as despesas.
Para além de ficar mal ao Presidente, é uma afronta a todos os portugueses!
Ditador paroquial por ditador paroquial, antes o Salazar que ao menos pagava as despesas do seu bolso.
Agora este senhor que tem todas as mordomias( naturais à sua condição de PR , obviamente) , que não tem que se preocupar com as compras do supermercado, com a conta da luz, do gás, da água. Que não tem reuniões de condomínio nem paga à mulher a dias ( e muito menos tem que ajudar a Maria nas limpezas de fim de semana!). Que tem férias e viagens pagas ( é verdade como é que ficou aquela questãozita da casinha no Algarve???) . Que tem motorista. Que colocou filha , genro, filho e nora em lugares principescamente pagos sem que tenham passado pelo crivo de qualquer concurso, este senhor vem queixar-se da sua magra reforma???
Quereria ele dizer que estava contra o corte dos subsídios no Banco de Portugal? É que este senhor e aí concordo com o prof. Marcelo, nunca diz a missa toda! Fica sempre ali na nebulosa do nim ( lembram-se do casamento homossexual?), na sobranceira opinião d’O Presidente que é exotérica e como tal de difícil entendimento.
Mas o que ele queria dizer era isto : os portugueses queixam-se de quê? Ponham os olhos n’O Presidente que, com a sua pobre reforma de 10.000€, mal pode fazer face às despesas e não se queixa, ora essa.
Como economista caro Silva, o senhor devia saber que está a viver acima das suas possibilidades. Há que estabelecer um orçamento familiar. Vá sente-se á mesa da cozinha mais a sua Maria e de lápis e papel vamos lá afazer continhas e ver onde pode cortar. Talvez não fosse má ideia deixar novamente de ler jornais e já agora cortar com a TV , Cabo e Net.
Como Presidente fique descansado: a malta faz um peditório com rifas.
Afinal sempre fomos um povo com um grande espírito de solidariedade! Jamais deixaremos O Presidente a dormir debaixo da ponte, ora essa!!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

ENGANAROU-SE!


















Cada vez mais me convenço que a “ nossa praça” política, jornalística, empresária e tuti quanti, é assim uma espécie de Bolhão, ali prós lados da zona do peixe.
Falam , falam, gesticulam, atiram perdigotos e quejandos sobre o que sabem, o que não sabem, o que julgam saber e sobretudo o que ignoram.
Não. Recuso-me a falar sobre a Maçonaria e a abertura da época da caça ás bruxas. Há coisas que mais vale calar para não alimentar polémicas .
O assunto hoje é outro, bastante mais pragmático. Entendi finalmente o que está por detrás do Acordo Ortográfico: é que num país onde os seus naturais não sabem escrever nem falar a própria língua, mais vale construir uma babel qualquer para lhes salvar a face!
Desde o “ prontus” repetido á esquerda e direita, até ao “ dirás-me” vale tudo! Claro que qualquer um de nós dá erros, calinadas no Português! No entanto, caso domine a língua, corrige a mão e rectifica o erro. Mas há os que fazem questão de frisar o erro, imbuídos como se encontram da firme convicção, de que, pertencendo ao Olimpo dos comunicadores, quer sejam políticos, jornalistas ou outras figuras públicas ( à excepção dos jogadores de futebol que são um caso à parte. Aliás o discurso e a linguagem futebolística dava uma belíssima tese de doutoramento) que pela repetição da asneira tornam-na aceitável ou até regra ortográfica! Infelizmente ás vezes conseguem-no!!!
Eu sou daquelas que se arrepiam de cada vez que ouve uma calinada! Bole-me com os nervos, que hei-de fazer? ( e o “há-des”? Esse é supremo!)
Mas há pessoas que de facto têm a obrigação não só de saber falar em público como de o fazerem bem!
Não tenho predilecção especial pelo pretendente ao trono português, o Sr. D. Duarte Nuno , Duque de Bragança. Até porque sou profundamente republicana! Mas respeito-o como representante duma casa que muito fez pela Nação e que teve o seu percurso histórico que , naturalmente terminou.Reconheço que uma figura que tem pretensões a tomar para si o peso simbólico duma Nação, teve, certamente , uma esmerada educação.
Imbuída deste espírito aberto, esperava com alguma ansiedade o discurso que iria proferir no Encontro Anual das Confrarias que decorreu este fim de semana em Braga.
É objectivo destas associações a promoção do que é nacional, área onde, ao que pensava, Sua Alteza estaria á vontade. Pois bem o balde não podia ter sido de água mais fria! Além de ter apenas dito banalidades, daquelas que qualquer Zé Chimbrinhas sabe dizer, repetiu á exaustão a necessidade dos “artesões” se organizarem e fazerem valer os seus produtos.
Enquanto o ouvia ( e me arrepiava! Triste País que nem de pretendente a um longínquo trono está bem servido!!!) lembrei-me da história que a minha Alice Vieira me contou e que lhe teria sido contada por outra grande senhora das letras – Matilde Rosa Araújo.
Passa-se a cena num baile . O jovem olhando a companheira nos olhos diz-lhe embevecido: “ Vejo pelos seus olhos que não lhe sou indiferente. Enganarei-me?”
E a rapariga responde-lhe lesta :” Enganarou-se!”.
Também Vossa Alteza!!!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

FELIZ FIM DO MUNDO!



Se bem que a tradição já não seja o que era, algumas coisas prevalecem: a contagem decrescente defronte da TV ( o que leva a muita confusão quando as estações não se põem todas de acordo!!), o champanhe bebido em grande ovação e as passas engolidas à pressa ao bater das doze badaladas que anuncia o fim dum ano e o início de outro.
As resoluções de ano novo, como também é hábito, duram no máximo uma a duas semanas. Mas são feitas com firme propósito e determinação, pelo que merecem todo o respeito, mesmo daqueles que as tomam para à primeira fazerem delas tábua rasa.
Este ano resolvi que não faria as costumeiras promessas nunca cumpridas: ginásio três vezes por semana, deixar definitivamente de fumar, visitar os meus sogros mais amiúde e com boa cara… e me ficaria apenas por uma. Umazinha só! Coisa pouca . Assim sendo cá vai ela:
Este ano de 2012 não pagarei impostos! Ponto! Nem IMI , nem IRS, nem coisíssima nenhuma.
E não se trata de nenhum movimento unipessoal de protesto mas sim uma coerência resultante das inúmeras profecias que dizem que o Mundo vai acabar no próximo ano.
Tirando o filme 2012 em que até o Evereste fica submerso, o Expresso na edição do passado Sábado, contabiliza pelo menos dez! Ora convenhamos que dez profecias a dizer o mesmo, já começa a ser coisa para uma pessoa pensar duas vezes!! Se bem que tenham ali um diferendo em relação ao dia! … Uns dizem que é a 12 de Dezembro, outros dão-lhe mais uma semana de vida e estabelecem como fim para o Mundo o Solstício de Inverno que , como se sabe é a 21.
Assim sendo não estou para pagar impostos, para depois ir tudo pró maneta!!
Quando partilhei esta minha resolução , os – poucos, vá lá saber-se porquê!- que me levaram a sério, sempre foram dizendo que “ Ai e tal, parece que Fátima é um portal ( portal para onde???!!!) e Portugal fica a salvo!”
Pois sim, abelha!! Estou mesmo a ver a França a afirmar que Lourdes é que tem a porta ( mas para onde , caramba!), Inglaterra vai atirar-nos com Stonehenge , a Alemanha é bem capaz de jurar a pés juntos que as Portas de Brandeburgo é que é, os chineses a declararem que a muralha da China tem mais ar de portal, para além de que é o único monumento visível do espaço ( e daí??)!! Sem falar no Vaticano que vai ficar danado caso o tal portal não fique em plena Praça de S. Pedro.
Ou seja, à partida o fim do Mundo e a concretização das profecias parece-me coisa difícil.
Mas por via das dúvidas, impostos, seguros e quejandos só depois do Natal de 2012. Isto se sobrar dinheiro . Sim porque o pessoal a bem dizer vai ser completamente assaltado em dois meses, pró ano.
É o fim do Mundo. Pelo menos do nosso!