Ocorreu um erro neste dispositivo

domingo, 1 de agosto de 2010

OS MUROS SOMOS NÓS


Uma manhã mais fresca depois do calor sufocante dos últimos dias levou-me a Serralves, onde está patente a exposição de Marlene Dumas intitulada " Contra os muros".

O duplo sentido do título, leva-nos através de pinceladas fortes, muito fortes, em tons lugubres, a colocarmo-nos indefesos de encontra os muros e convida-nos a lutar contra todos os muros que se levantam à nossa volta.

Vivemos rodeados de muros que erguemos para nos protegermos dos outros sem tomarmos conta de que, ao mesmo tempo que nos rodeamos de paredes isoladoras, ficamos menos humanos.

Na aldeia dos meus pais as portas ficavam sempre abertas. Quando muito a chave ficava na gateira à distância duma mão. Hoje, até ali no mais recôndito pedaço de Portugal exertado em Espanha, multiplicam-se as trancas. Há portões com cadeados e portas com fechaduras de segurança. Há até já ( pasme-se!!) sistemas de segurança electrónica!!

O homem transformou-se naquilo que levou séculos a evitar: ser uma ilha. E uma ilha fortificada.

A exposição de Marlene Dumas contrapõe a dada altura, dois muros : o das lamentações e o que se ergue na Faixa de Gaza. Um que liga o homem ao deus e outro que separa irmãos.
Para pensar.
E de repente, sem saber porquê, lembrei o livro da Alice Vieira " Chocolate à Chuva " onde duas meninas pegam em pequenos bancos que encostam ao muro que divide os jardins e ali ficam horas infindas construindo por sobre o muro uma amizade que não conhece barreiras.

Talvez o que nos falte seja voltarmos a ser crianças para arrastarmos bancos que nos façam debruçar sobre as paredes da intolerância.